Finalmente Corno

  • Publicado em August 24, 2012 em 12:32 am

Finalmente Corno

Olá para todos. Meu nome é Evandro e desde que eu namorava minha esposa sempre nutri o desejo de ser corneado por ela. Sempre me excitou muito esta idéia, porém ela nunca quiz alegando que eu era o único homem em sua vida. Eu dizia a ela que trepar com outro, com o meu consentimento não significava que deixaria de me amar, que seria somente sexo, mas ela não aceitava. Quando estavamos trepando e usando um consolo de borracha que eu havia comprado para ela, eu fantasiava dizendo que era outro homem que estava ali metendo nela. Notava que ela se excitava muito mais do que o normal, porém não passava disto. Deixem-me descrever minha esposa. Seu nome é Vera, tem 1,68m, 55 kg, 37 anos, morena, seios medios para grandes e bicudos, cintura fina, coxas grossas e roliças e uma bunda deliciosa. Adora sexo anal, oral e todas as sacanagens possiveis, porém, até então, somente comigo. Eu tenho um amigo de infância, o Eliseu, que é muito meu amigo. Sempre fomos confidentes um do outro e conversamos sobre tudo que é problema que afeta cada um de nós. Ele é muito bem apessoado, porém nunca casou, pois cuidava da mãe velhina. Num final de semana em que a mãe foi passar com a irmã dele eu o convidei para ficar o final de semana em nosa casa para aproveitar a piscina. Ele era super amigo de Vera, porém não passava disto. Ele chegou lá em casa no sábado pela manhã. Ficamos conversando um tempo, pois Vera tinha ido ao super mercado fazer umas compras. Eu comentei com ele, em nossa conversa, o meu desejo de ser corno e perguntei a ele se não toparia comer a Vera. Ele me disse que sempre achou a Vera uma mulher muito atraente, porém não gostaria de forçar nada, pois não queria perder a amizade dela e que além disso tinha um outro problema. Ele sempre alegara que não havia se casado por causa da mãe velhinha, que tinha que cuidar dela, etc., mas tinha um outro problema que nem eu como seu amigo e confidente sabia. Perguntei, então, qual era o problema e ele disse que somente eu vendo o problema teria a real noção do que se tratava. Ele levantou do sofá e arriou a bermuda e a cueca. O que eu vi, meus olhos não acreditavam. Saltou na minha frente o caralho de no mínimo 25 cm mole e também, super grosso (depois ele foi medido por Vera e tinha duro 34 cm x 12,5 cm, duro). Ele disse para mim:”Evandro, de sã consciência, qual a mulher que vai querer trepar com um homem com o pau deste tamanho…haja buceta…tu não achas? Quem casaria comigo?” Eu não resisti e segurando a bengala dele, falei:”Nossa….Eliseu…isto não é pau…é um braço de criança…ele é lindo…que cabeção…parece um tomate gaucho…ai Eliseu…deixa eu chupar ele só um pouquinho?” Ao que ele me respondeu:”Não sabia Evandro que tu eras viado…mas se te satisfaz…pode….”Eu disse a ele que era bisexual e que adorava mamar numa rola, ainda mais uma como a dele. Ato continuo, me ajoelhei e iniciei uma gulosa. Que delicia de pau. Aquilo tudo foi endurecendo na minha boca e eu segurando com as duas mãos esgacei minha boca e coloquei toda a cabeçoraa para dentro. Tivemos que parar, pois ouvimos o ronco do motor do carro. Era Vera retornando do super. Ele vestiu a cueca e a bermuda sentando-se com uma almofada no colo para disfarçar. Vera veio até a sala e deu um beijo em Eliseu perguntando como ele estava. Vera disse a ele:”Tu viestes aqui para ficar na sala trovando ou para aproveitar a piscina? Vão se trocar que eu já vou pra lá também. Só vou ajeitar as compras e colocar um biquini”. Eu subi com Eliseu, me troquei e fui ao quarto dele. Ele estava nú com a sunga na mão. Eu aproveitei e agarrei o pau dele e dei mais umas lambidinhas. Fomos para a piscina e sentamos nas cadeiras de sol. Vera chegou com um micro biquini preto muito indecente. Não tapava nada no seu corpão. Eu falei:”Nossa Vera…estás um tesão com este biquini…não achas Eliseu…?” Ele respodeu:”Tesão?…com todo o respeito…a Vera é um avião supersônico que acaba de aterrisar por aqui….”Vera riu e notei que os bicos de seus seios ficaram durinhos…sinar de excitação. Preparei uma jarra grande de caipirinha e coloquei mais vodka do que o normal, já prevendo, pois Vera adora caipira. No terceiro copo ela estava bem mais solta. Aí eu disse para ela:”Amor…tu te lembras uma vez que te mostrei na internet um site de homens com os paus enormes?” Ela respondeu:”Claro amor…como iria esquecer aquelas varonas….adorei ver”.Eu então complementei:”Amor vou te mostrar uma daquelas ao vivo e a cores…queres ver?”Depois da quarta caipira ela respondeu:”Claro que quero amorzão…mas onde?…como…não entendi…”Eu falei:” Elisei…tira tua sunga e mostra para a Vera o teu pintinho…Vera chega bem perto do Eliseu para olhar melhor….” Eliseu levantou da cadeira, soltou o cadarso da sunga e a fez deslizar pelas pernas. Olhei para Vera e ela estava com a boca entre aberta de espanto. Com aquele papo o pau de Eliseu estava semi duro. Vera disse:”Nossa…Evandro….é enorme…como é lindo….” Eu falei:”Aproveita Vera…segura nele…aperta ele….sente a grossura…” Vera estendeu a mão e segurou a benga de Eliseu. Eu me aproximei dela e soltei o soutien do biquini assim como os lacinhos laterais da calcinha. Deixei-a nua. Ela me olhou assustada. Eu sorri e a abracei por trás encostando meu “pauzinho” em sua bundona. Eu falei no ouvido dela:”Deixa o Eliseo colocar o pau dele entre tuas coxonhas…..vem Eliseu…coloca aqui…” Eliseu veio por trás dela. Ela entre abriu as coxas e ele colocou o pau entre elas. O pau era tão grande que Vera parecia estar montada no pau dele. Ele iniciou um vai e vem roçando na buceta dela. Ela começou a suspirar. Eu chupava suas tetas e fui descendo até me ajoelhar na frente deles. O pau de Eliseu saia metade na frente dela e eu ajoelhado esperava com a boca aberta engolindo a cabeçorra. Vera não resistindo mais gozou loucamente. Eu levei os dois para um colchão e disse:”Vera meu amor….agora tu vais dar a tua bucetinha para o Eliseu….eu finalmente serei o corno manso que sempre quiz ser….” Eliseu colocou Vera de quatro, ajeitou a varona na entrada da buceta dela e meteu a cabeçorra. É obvio que ele não atolou tudo. Meteu até a metade iniciando um vai e vem. Ela gozava sucessivamente e falava:”Aiii amor….que caralho delicioooooso…..olha corninho teu amigo me destruindo a buceta que era só tua….vem aqui na frente que eu quero chupar teu micro pau de corno manso….”Eu parei na frente dela e ela mamou na minha vara loucamente. Eliseu sacou o pau de sua buceta e mirou na entrada do cú. Eu fui ajudar. Peguei com a mão na ponta da vara e direcionei a cabeça para o buraquinho. Despegei óleo bronzeador para lubrificar bem. A cabeça entrou e Vera soltou um gritinho. O cú dela parecia o fundo de uma garrafa de cerveja, para vocês terem uma idéia da grossura do pau dele. Ele iniciou os movimentos de vai e vem e Vera gozava pelo muito pelo cú. De repente Eliseu deu um urro e começou a gozar. Eu acho que o meu amigo estava sem trepar a mais de ano, porque eu nunca havia visto tanta porra. Eram bolas de porra, parecendo leite qualhado. A primeira esguichada foi no cú e o restante na boca e na cara de Vera. Parecia um cavalo. Vera desfaleceu de tando gozar. Elizeu ainda estava de pau duro e eu também. Coloquei Vera de ladinho e meti em sua buceta. Eliseu veio por trás de mim e meteu bem de vagar no meu cú. Nossa…parecia que uma rolo de macarrão estava entrando em mim…Fudemos os três por uns quinze minutos até gozarmos ao mesmo tempo. Hoje o Eliseu é o nosso amante preferido . Além de Vera fuder conosco ela aceita fuder com outros homens que muitas vezes conhecemos em boates, barzinhos e cinemas. Finalmente eu virei corno manso e é muito bom. Estou feliz!!

Leave a Reply

Ou